Seguidores

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

ÁLVARO DE CAMPOS


Álvaro de Campos surge quando Fernando Pessoa sente “um impulso para escrever”. O próprio Pessoa considera que Campos se encontra no «extremo oposto, inteiramente oposto, a Ricardo Reis”, apesar de ser como este um discípulo de Caeiro.
Campos é o “filho indisciplinado da sensação e para ele a sensação é tudo. O sensacionismo faz da sensação a realidade da vida e a base da arte. O eu do poeta tenta integrar e unificar tudo o que tem ou teve existência ou possibilidade de existir.
Este heterónimo aprende de Caeiro a urgência de sentir, mas não lhe basta a «sensação das coisas como são»: procura a totalização das sensações e das percepções conforme as sente, ou como ele próprio afirma “sentir tudo de todas as maneiras”.
Engenheiro naval e viajante, Álvaro de Campos é configurado “biograficamente” por Pessoa como vanguardista e cosmopolita, espelhando-se este seu perfil particularmente nos poemas em que exalta, em tom futurista, a civilização moderna e os valores do progresso.
Cantor do mundo moderno, o poeta procura incessantemente “sentir tudo de todas as maneiras”, seja a força explosiva dos mecanismos, seja a velocidade, seja o próprio desejo de partir. “Poeta da modernidade”, Campos tanto celebra, em poemas de estilo torrencial, amplo, delirante e até violento, a civilização industrial e mecânica, como expressa o desencanto do quotidiano citadino, adoptando sempre o ponto de vista do homem da cidade.


     (Depois de ler seu drama estático "O marinheiro" em "Orfeu I")

       Depois de doze minutos 
       Do seu drama O Marinheiro, 
       Em que os mais ágeis e astutos 
       Se sentem com sono e brutos, 
       E de sentido nem cheiro, 
       Diz rima das veladoras 
       Com langorosa magia 
       De eterno e belo há apenas o sonho. 
       Por que estamos nós falando ainda?                                           Ora isso mesmo é que eu ia 
                                         Perguntar a essas senhoras...  

Um comentário:

  1. Belo trabalho de análise dos heterônimos de Pessoa.
    Deixo um grande abraço!

    ResponderExcluir